Mulheres do CAPA Santa Cruz participam do curso Promotoras Legais Populares

Notícias

Mulheres do CAPA Santa Cruz participam do curso Promotoras Legais Populares

Do CAPA Santa Cruz cinco mulheres que integram a equipe ou são lideranças nas comunidades em que ele atua concluíram o primeiro módulo do curso de formação de Promotoras Legais Populares (PLPs). O curso faz parte do projeto Acesso Popular à Justiça, desenvolvido pelo Centro Ecumênico de Capacitação e Assessoria (CECA), o qual capacita agentes populares em legislação e direitos humanos, com ênfase nos direitos das mulheres.

A ideia é que após completar o curso as mulheres estejam preparadas para atuar em ações de prevenção à violência e em defesa dos direitos humanos. Além disso, o PLPs busca transformá-las em multiplicadoras de informações em suas comunidades, fortalecendo e qualificando sua intervenção nas políticas públicas.

Este curso também integra o projeto Promotoras Legais Populares: Diaconia e Justiça de Gênero em Comunidades Rurais, desenvolvido em conjunto pelo CAPA Santa Cruz, o CAPA Erexim e o CAPA Pelotas. Ele foi enviado para o edital do Fortalecimento da Ação Comunitária da Igreja, Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB).

A enfermeira Grasiela Michels, a pastora Cristiane Echekmeier, a representante de comunidade quilombola Joelita David Bitencourt, a agente de saúde aposentada Lisani Christmann Landskren e a agricultora Maria Lúcia Pereira foram a Pelotas, para participar do primeiro módulo do curso, que aconteceu de 23 a 26 de abril. Elas devem passar por mais dois módulos do PLPs, os quais estão previstos para junho e setembro.

Curso une teoria com prática

Joelita gostou da metodologia adotada nos encontros: “o curso dá para as participantes o entendimento de todos os assuntos abordados com os mínimos detalhes e as painelistas tem todo o cuidado de falar na linguagem simples e direta, fazendo com que todas se sintam dentro do contexto”, comenta. No que se refere aos assuntos discutidos, Grasiela destaca o esclarecimento da função das PLPs. “Não é nosso papel executar políticas públicas e sim fazer o movimento e a mobilização para que elas funcionem e todas as mulheres tenham seus direitos”, explica.

No total, o curso terá a duração de 100 horas, sendo 84 horas teóricas e 16 horas de visitas a órgãos públicos da região em que as participantes residem, para que possam conhecer seu funcionamento e ter acesso a dados sobre a violência contra as mulheres. Entre os conteúdos que serão abordados estão questões referentes a gênero, raça, direitos humanos civis, políticos e sociais, políticas públicas, leis, resolução de conflitos, violência e o diálogo inter-religioso.

Texto: Kimberly Lessing 

Foto: Grasiela Michels