Carta aberta do V Congresso Brasileiro de Homeopatia Popular Comunitária

Notícias

Carta aberta do V Congresso Brasileiro de Homeopatia Popular Comunitária

Os 232 participantes do 5º Congresso Brasileiro de Homeopatia Popular Comunitária vêm, através desta carta aberta ao público, manifestar suas preocupações e cuidados com a saúde pública, bem como com a saúde do meio ambiente que nos cerca.

Levantamos os seguintes pontos de intenso debate:

  • Social e Ambiental.
  • Desigualdade social.
  • Corrupção.
  • Insegurança nos trabalhos realizados por organizações sociais, e sua fragilização.
  • Descaso ambiental com os casos das barragens.
  • Liberação criminosa de agrotóxicos.
  • Silêncio da sociedade com a perda dos direitos adquiridos ao longo de anos de luta.
  • Falta de liberdade de manifestação popular de expressar suas posições frente aos desmontes das políticas públicas.
  • Manifestamos nossa indignação frente à liberação de agrotóxicos sem respaldo científico, apenas para atender a demanda das multinacionais.
  • Sistema Único de Saúde (SUS).
  • Domínio do sistema industrial alopático.
  • Cidadão sem liberdade de escolha de tratamento.
  • Falta de conhecimento das ações políticas do SUS.
  • Insegurança do usuário do SUS.
  • Burocracia sacrificando pessoas.
  • Ausência dos usuários nos espaços do SUS.
  • Uso e abuso de psicotrópicos em casos desnecessários.
  • Privatização do SUS com perda de direitos como acesso a medicamentos que até o momento tinham distribuição gratuita.
  • Falta de compreensão dos motivos que levam uma pessoa a se tornar dependente químico, e simplesmente serem suprimidos através de internações compulsórias.

A Associação Brasileira de Homeopatia Popular Comunitária (ABHP), no âmbito de suas ações, vem respaldar a discussão dos participantes do 5º Congresso, fazendo propostas que possam contribuir para melhoria da qualidade de vida da sociedade brasileira, que assim seguem:

  • Homeopatia popular como instrumento de educação para reduzir a desigualdade social.
    Fomentar a produção de alimentos agroecológicos, tendo a homeopatia como mecanismo do processo de transição com redução de insumos químicos.
  • Lutar pela homeopatia popular como parte integrante do atendimento básico à saúde, sendo esse trabalho reconhecido pelas autoridades públicas.
  • Reconhecimento da homeopatia popular como patrimônio histórico da humanidade.
  • Regulamentação e permissão legal das práticas integrativas complementares de saúde, incluindo a homeopatia popular comunitária. Nomeamos uma comissão para implementar o projeto de regulamentação nacional.
  • Valorizar, esclarecer e incentivar o uso da homeopatia no espaço público.
  • Nossa saúde vem pelo que comemos (produção de alimentos de origem animal e vegetal), e precisamos estimular a produção de alimentos limpos.
  • Uso da homeopatia para estimular o sistema imunológico.
  • Uso da homeopatia como descontaminante do meio ambiente.
  • Incentivo do uso da homeopatia para dependentes químicos.
  • Incentivo ao estudo dos casos de crianças hiperativas, autistas e outras síndromes.
  • Aprofundar estudo da homeopatia como agente de promoção e prevenção.
  • Uso da homeopatia como meio de descontaminação de metais pesados e agrotóxicos, em águas de consumo humano e animal.
  • Estreitar as relações com as demais práticas integrativas complementares de saúde. Homeopatia como veículo de prática cidadã de soberania e segurança alimentar.

Assim, colocamo-nos a disposição para que a construção da sociedade justa e “homeopatizada” seja o objetivo de nossas autoridades eleitas pelo voto direto e democrático, e que se respeite os anseios de um povo que vem lutando para poder trabalhar em liberdade.

Chapada dos Guimarães, 10 de agosto de 2019.